Home Catálogo Editora Na mídia Originais Lista de preços Escritório do editor Contato Compra de livros Escritório do editor Escritório do editor Fricções Siga a Ficções no Twitter
Ficções Editora
C A T Á L O G O

CRIME IMPROVÁVEL
LUIZ CARLOS CARDOSO
Romance


ISBN: 9788562226076
Formato: 16 X 23 cm
Páginas: 384
Ano: 2010
Peso: 590 gr
Projeto gráfico: Alonso Alvarez
Foto da capa: Paula Huven

Capa
PREÇO DE CAPA:

(versão papel): R$ 39,90

(versão digital / e-book): R$ 19,90

Comprar já!


IMAGENS DA CAPA: FRENTE | 4ª CAPA | ABERTA
SOBRE O AUTOR

Bookmark and Share


Onde stá o livro?




em escrito, com um sarcasmo que às vezes beira o cinismo (um humanismo no avesso), o romance se apresenta também como o retrato esfumaçado da metrópole São Paulo, agressiva, quimérica, repleta de dilemas morais e éticos que se refletem no personagem central Luís Filipe. Em meio a citações literárias e queixas da própria cultura lacunosa, ele se descobre amando e odiando errado, envolvido numa trama em que se misturam impulsos de vingança e crenças esotéricas, desejo incontrolável de trair e desconfiança atormentada de ser traído.

     Luís Filipe, “Fi” em seu íntimo de narrador na primeira pessoa, propõe-se paradoxalmente como um modelar cidadão que aspira a fazer da cunhada uma amante e a eliminar o inimigo brutal atirando com revólver da garagem de sua casa como quem aciona o controle remoto da televisão.





SINOPSE


 
O ROMANCE SE APRESENTA TAMBÉM COMO O RETRATO ESFUMAÇADO DA METRÓPOLE SÃO PAULO, AGRESSIVA, QUIMÉRICA, REPLETA DE DILEMAS MORAIS E ÉTICOS.
 

assado em São Paulo e narrado na primeira pessoa pelo personagem Luís Filipe, Crime improvável não é uma história policial embora contenha elementos desta, a exemplo de muitas ficções que se ocupam do homem contemporâneo na metrópole. Luís Filipe, a quem anos antes a irmãzinha de sua mulher Maria Laura chamara “Fi”, tomou gosto pelo nome sincopado e o adota também para si mesmo. Fora isso, ou lá fora, é revisor da imprensa escrita e se declara jornalista quando lhe perguntam da profissão. Atua numa revista semanal de informações com fechamento da edição na madrugada de sexta para sábado e, gaiato, proclama-se guarda-noturno aos vizinhos.

     Entretém a ideia de que ama Diana, a cunhada “sensacional” agora com dezessete anos, e, tendo ela se hospedado num cubículo da sua casa para cursar o pré-vestibular, espia-a pelo buraco que já foi fechadura do quarto partilhado com Maria Laura.

     Incomoda-o a suspeita de que furta livros de uma livraria no centro da cidade, segundo o vigia dali que o olha torto. Para agravar, logo descobrirá que é um mau dono de cão, não o vacinando, deixando-o vagabundear. Quando a “carrocinha” do serviço de zoonose leva o cão, Fi parte em atribulada expedição de resgate.

     Numa manhã de sábado, estremunhado da noite não dormida em fechamento da edição, Fi mete-se num incidente banal ao conduzir seus três filhos e Diana à casa da sogra, no longínquo bairro de Santo Amaro. Um sujeito o insulta e espanca na rua, Diana sai do carro em socorro e é espancada também. Ele, por ter reagido mal à agressão, acrescenta ao rol de suas culpas a de ter parecido covarde para os filhos e Diana.

     Depois do incidente, mesmo ferido em corpo e alma, Fi não tem propósito de vingança, mas Diana tem. Por total acaso, ele vai a uma reunião de ufologistas e vê projetada na tela a imagem do agressor, como um abduzido na sequência de outros. Fica amigo do ufólogo que fez o desenho espantoso, conta tudo a Diana e ela, garota fatal, quer procurar o espancador para no mínimo exigir-lhe desculpas, se preciso exigir-lhe o sangue.

     O espancador ronda Fi e Fi com Diana rondam o espancador. Eles já são amantes eventuais, embora ela seja também noiva de um rapaz próspero, Murilo, de forte presença na história. O ufólogo Emílio, perseguidor e desenhista de abduzidos da cidade, é assassinado num terreno baldio da periferia, certamente pelo espancador. Fi e Diana planejam o confronto decisivo, ele quase confiante em sua perícia e munido de dois revólveres velhos.





ORELHA


 
ASSIM SE COMETERÁ UM CRIME QUE TODAVIA PERMANECE ESQUIVO, IMPROVÁVEL, DADA A NATUREZA CONTEMPLATIVA DO "HERÓI" E NARRADOR DA HISTÓRIA.
 

Reprodução





Entrevista
Rádio UFMG Educativa
Falando de livros

Reprodução



Lançamento na Livraria Cultura - Paulista
Dia 22 de fevereiro de 2011 (Veja as fotos).


Leia um trecho do livro


LEIA UM TRECHO DO LIVRO
30 primeiras páginas. Arquivo PDF.


livro de Luiz Carlos Cardoso - "Crime Improvável" - é algo de muito novo na literatura nacional. Há tempos não aparecia um autor assim: correto na linguagem, denso e ao mesmo tempo divertido, inusitado na maneira de narrar. Sua forma de contar é escorreita, há laivos de literatura policial prendendo o leitor em algumas páginas. Há trechos - muitos! - em que o leitor gargalha, espantado com a graça bem colocada e surgida inesperadamente.

     O primeiro romance desse autor já consagrado no teatro - "Viva Olegário" recebeu o Prêmio Governador do Estado e fez muito sucesso com Juca de Oliveira no papel principal - certamente fará carreira sólida e longa nas estantes das livrarias.

     Luiz Carlos Cardoso nasceu em Campinas, foi criado em Rio Claro e está em São Paulo desde 1960. Escreve para teatro, teve suas peças editadas em "Chefes e poetas - o teatro de Luiz Carlos Cardoso" e foi crítico teatral da revista Visão.


NOVIDADE NA LITERATURA
Regina Helena de Paiva Ramos
Escritora e jornalista


 
O PRIMEIRO ROMANCE DESSE AUTOR JÁ CONSAGRADO NO TEATRO - "VIVA OLEGÁRIO" RECEBEU O PRÊMIO GOVERNADOR DO ESTADO E FEZ MUITO SUCESSO COM JUCA DE OLIVEIRA NO PAPEL PRINCIPAL - CERTAMENTE FARÁ CARREIRA SÓLIDA E LONGA NAS ESTANTES DAS LIVRARIAS.
 

Proac



PRÊMIO

Luiz Carlos Cardoso,
nascido em Campinas, crescido em Rio Claro e morador da capital paulista desde 1960, é autor teatral, tendo recebido o Prêmio Governador do Estado de São Paulo pela peça Viva Olegário e sido encenado por Juca de Oliveira, Luiz Gustavo, Cléo Ventura e Kate Hansen com Swing – a troca de casais.

Foi crítico de teatro por oito anos da revista Visão e publicou em 2004 o livro Chefes e poetas – o teatro de Luiz Carlos Cardoso, com cinco textos, pela JSN Editora. Crime improvável é seu primeiro romance, escrito em 2008.

Outra obra do autor:
Chefes e poetas

O AUTOR

PARA COMPRAR A VERSÃO EM PAPEL
DIRETO DA EDITORA FICÇÕES

preço de capa: R$ 39,90
     Sacola

Frete grátis Pague com o PagSeguro UOL

CRIME IMPROVÁVEL, de Luiz Carlos Cardoso


Compre direto da editora, frete grátis (exclusivamente pela editora), e pague de forma segura e rápida pelo PAGSEGURO UOL: cartão de crédito, débito ou boleto.
Clique no botão abaixo:




À VENDA TAMBÉM NAS MELHORES LIVRARIAS
O preço é definido pela livraria de sua preferência

Clique aqui para comprar na Livraria Cultura

Clique aqui para comprar na Livraria Saraiva

Clique aqui para comprar na Livraria Siciliano

Clique aqui para comprar na Livraria Loyola

Clique aqui para comprar na Livraria Martins Fontes

Clique aqui para comprar na Livraria da Travessa

Clique aqui para comprar na Livraria Martins Fontes

Clique aqui para comprar no Buscapé

Clique aqui para comprar na Livraria Leonardo da Vinci

Clique aqui para comprar na Livraria BookStop

Clique aqui para comprar no Shopping UOL

Ou em uma livraria perto de você.

VERSÃO E-BOOK (DIGITAL)
Versão E-Book

Versão E-Book





VOLTA SOBE
FICÇÕES - Porque a vida não basta