Home Catálogo Editora Na mídia Originais Lista de preços Escritório do editor Contato Compra de livros Escritório do editor Escritório do editor Fricções Siga a Ficções no Twitter
Ficções Editora
C A T Á L O G O

O PÁSSARO QUE COMEU O SOL
POESIA MODERNA DA CORÉIA
YUN JUNG IM
Poesia/Tradução


Formato: 18 X 18 cm
Páginas: 130
Projeto gráfico: Alonso Alvarez
Prefácio: Paulo Leminski
Apresentação: Haroldo de Campos
Edição bilíngüe
Apoio da The Korean Culture and Arts Foundation

Capa
ESGOTADO

LEIA: POEMAS

IMAGENS DA CAPA: FRENTE
SOBRE A AUTORA



sta antologia de poetas coreanos contemporãneos, organizada e traduzida, com amor e competência, por Yun Jung Im, vem revelar ao leitor brasileiro a fascinante e personalizada contribuição de uma literatura poética singular. Ao mesmo tempo lírica e severa, sóbria e melancólica, é capaz de singelezas tardo-românticas e de eflúvios simbolistas, mas também de ousadias hipermodernas, que vão até aos transgressivos e irônicos experimentalismos de vanguarda.
     Poesia de contemplação da natureza, poesia dos conflitos amorosos, poesia da guerra, poesia da paz, eis algumas das linhas principais que definem a coletânea, onde se faz ouvir o canto a muitas vozes do País da Manhã Serena (de Kaoli, Koorai, segundo o etimologista J. J. Egli, citado por Antenor Nascentes).
     Um país cuja escrita nos encanta o olho e cuja língua nos embala o ouvido, e em cujos nomes, derivando-o com liberdade poética do grego Khoréia, o fileleno filoriental Paulo Leminski leu talismanicamente dança.


APRESENTAÇÃO
HAROLDO DE CAMPOS


 
POESIA DE CONTEMPLAÇÃO DA NATUREZA, POESIA DOS CONFLITOS AMOROSOS, POESIA DA GUERRA, POESIA DA PAZ.
 

a devoração brasileira da poesia do planeta, via tradução, prossegue. Agora um ramo de flores, iluminado, vindo do “País da Serenidade Matutina, pelas mãos doces de Yun Jung Im, estudiosa coreano-brasileira, atualmente em Seul, de onda manda uma carta, através do irmão me convidando para participar desta bonita festa de poemas doloridos e ternos, densos e melancólicos.
     Esta antologia (äntologia”, em grego, quer dizer escolha de flores) marca a chegada da poesia coreana entre nós, ampliando, no ano das Olimpíadas de Seul (encontro helênico-coreano), nosso conhecimento das artes do Extremo Oriente.
     Da China, já conhecíamos várias coisas, através das transcriações do original, por obra e graça de Haroldo de Campos ou através de traduções de Ezra Pound, entre outros.
     A poesia japonesa, através dos haikais, já é presença na poesia brasileira desde o Modernismo.
     A poesia coreana traz, a fogo, a marca do povo que a produziu, um povo sofrido de mil guerras e mil invasões, imprensado entre a China e o Japão, por eles invadido e oprimido. Nesse sentido, a condição nacional do povo coreano lembra demais a situação da Polônia na Europa, nação orgulhosa sempre espremida entre os alemães de um lado e os russos do outro.
     Como os poloneses, os coreanos tiveram muito que lutar para preservar sua personalidade nacional e seus valores culturais.
     Assim como a língua polonesa foi proibida por dominadores prusssianos e russos, a língua coreana chegou a ser proscrita pelos invasores japoneses.
     Mas, como a Polônia e o povo polonês, a Coréia e o povo coreano sobreviveram e hoje estão presentes aqui no Brasil em contingentes imigratórios significativos, entrando a fazer parte, a partir de agora, deste carnaval de raças que, um dia, vai ser o povo brasileiro.
     Na poesia coreana do século XX, objeto deste livro, me chama a atenção a finura de percepção, a delicadeza de certos registros e uma espécie de doce melancolia que impregna tudo.
     E, sobretudo, a presença de um grande poeta, a revelação do livro para mim, desde já o meu poeta coreano moderno, o boêmio e surrealista Yi Sang, com poemas experimentais surpreendentes.
     “Coreó”, o nome antigo da Coréia, significa Alta Beleza”.
     Pelo Aurélio, significa “Dança”. Feliz coincidência.
E nessa dança, estamos desde já.





CORÉIA: UM PAÍS QUE SE CHAMA DANÇA
PAULO LEMINSKI


 
NA POESIA COREANA DO SÉCULO XX, OBJETO DESTE LIVRO, ME CHAMA A ATENÇÃO A FINURA DE PERCEPÇÃO, A DELICADEZA DE CERTOS REGISTROS E UMA ESPÉCIE DE DOCE MELANCOLIA QUE IMPREGNA TUDO.
 



Namgung Byók
Dor das Estrelas

Querida, minha querida, quando
o bebê revira o corpo na cama
nunca te ocorreu, involuntariamente,
levar um grande susto?

Querida, minha querida, quando
as pessoas do mundo torcem e arrancam as flores da terra,
nunca te ocorreu que as estrelas do céu se contorcem de dor?


Reprodução

Kim Dong-myóng
Noite

Noite,
lago imenso numa névoa azul

Eu,
um pescador de sonhos na canoa do sono

Reprodução

Kim Hyón-sung
Janela

Amar a janela –
soa melhor do que amar o sol
porque não ofusca

Se se perde a janela
perde-se o estreito por onde se avança ao céu

e a alegria é para nós
a notícia de hoje

Pois quando limpamos a janela
é também quando podemos cantar
Dizem que as estrelas são terras alheias de dezembro,
distantes distantes...

E conservando a janela limpa e cristalina
exercitamos o hábito de abrir gentilmente os olhos,

e que os olhos límpidos
sejam os nossos corações reluzentes
na espera do amanhã...

Reprodução

Kim Gui-rim
O Mar e a Borboleta

Porque ninguém lhe disse da fundura
a borboleta branca não tinha medo do mar

Era para ela uma plantação de folhas verdes
e ao pousar, a asa tenra se gela no toque da água
e volta cansada como uma princesa

A borboleta, ressentida do mar de março sem flores,
sente a fina cintura gelar no crescente azul




POEMAS

Recado 11

Prefácio
CORÉIA: UM PAÍS QUE CHAMA DANÇA 13
Paulo Leminski

Introdução
O DESPERTAR DOLOROSO NO PAÍS DA MANHÃ SERENA 15
Yun Jung Im

POETAS (Poemas) 22-115

Han Young-Un
Yi Byóng-gui
O Sang-sun
Namgung Byók
Yi Sang-hwa
Kim Dong-myóng
Kim So-wór
Kim Sang-yong
Jóng Ji-yong
Kim Yóng-rang
Bak Young-tchór
Yi Yuk-sa
Kim Gwang-sób
Shin Sók-jóng
Kim Gui-rim
Yu Tchi-hwan
Yi Sang
Yi Ho-u
No Tchón-myóng
Kim Hyón-sung
Kim Gwang-Gyun
Só Jóng-Ju
Ham Yun-su
Bak Du-jin
Bak Mog-wór
Yun Dong-ju
Jo Hyang
Jo Ji-hun
Kim Su-yóng
Kim Jong-sam
Kim Tchun-su
Bak In-hwan
Kim Nam-jo
Jo Nam-du
Jón Bong-gón
Sóng Tchan-gyóng
Yi Hyóng-gui
Shin Gyóng-rim
Hó Yóng-ja

Notas 117 - 118

Poetas (biografias) 119 - 128

Sobre a tradutora 129




SUMÁRIO

Yun Jung Im
possui doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995).

A autora no:
Lattes


Outras obras da autora:
Sijo - Poesiacanto Coreana Clássica


A AUTORA


Marcadores



VOLTA SOBE
FICÇÕES - Porque a vida não basta